segunda-feira, 26 de junho de 2017

Balanço do Primeiro Ano



Uma vez que o meu primeiro ano já acabou (agora é preparar-me para o segundo, fisicamente e psicologicamente), decidi dar-vos um balanço geral. Não se preocupem porque farei o mesmo nos outros anos. Algumas das coisas que irei expressar aqui eu fui dizendo ao longo do ano, por isso já não deve ser novidade. Espero que vocês consigam identificar-se com alguma coisa e também que gostem de ler aquilo que vos vou contar.

 
O que aprendi
 
Não importa a quantidade – Este ano pude aperceber-me, dificilmente, que não interessa a quantidade de pessoas com quem tu te dás bem. Desde que elas gostem verdadeiramente de ti, é isso que interessa.


Gostar do curso - Às vezes, lá por não estarmos a gostar muito do curso em si, ou seja, das cadeiras que temos, não quer dizer que não queiramos seguir aquela profissão. Temos que ver o curso como um “trabalho”, temos que fazer coisas que não gostamos, trabalhos sem sentido nenhum, tal como acontece em todos os cursos.





Preocupação em excesso faz-nos sofrer, sem necessidade – Eu costumo ter tendência para me preocupar demasiado com as coisas e não sei realmente porquê. Penso que talvez seja da minha natureza. Ou não. Mas, o que é certo é que isso teve consequências más, como por exemplo, dar demasiada importância a algo ou alguém que talvez não era para ser meu ou que simplesmente não era para acontecer. 


Tudo acontece por alguma razão – Coimbra foi a minha terceira opção na altura em que fiz a candidatura para a universidade. Sempre me disseram que era pouco provável eu entrar em Coimbra, mas sim em Aveiro. No entanto, aconteceu o oposto. Entrei em Coimbra e não em Aveiro, não sei como (por causa da média). Ao início, eu andava lá meia contrariada/revoltada e ninguém entendia o porquê. Tentei mudar na 2ª fase, mas não consegui. Depois, chegaram as candidaturas para a 3ª fase. Dessa vez eu não me candidatei. Não sei porquê, mas algo em mim disse para não o fazer, então não fiz, ainda que me tivessem dito para o fazer. Eu pensei que me iria arrepender, mas, de facto, não me arrependi mais tarde dessa escolha. Ao longo do tempo fui-me habituando a Coimbra e agora, não me consigo imaginar a tirar a licenciatura em Aveiro ou no Porto, embora goste de ambos.




O primeiro ano é o “ano de ambientação” – Para mim, foi mesmo um ano de ambientação. Nunca fui muito habituada a “ambientes novos”, tal como muitos estudantes, e, por isso, acabou por ter um maior impacto em mim. Foi um ano de muitas desavenças e aprendizagens, mas, no final, acabou por me tornar mais forte do que eu era antes.


A opinião dos outros - Não é por termos alguém que não gosta de nós, que quer dizer que temos algo de errado connosco. Simplesmente tal como nós não gostamos de alguém, as outras pessoas também tem direito a não gostar de nós. Não pudemos agradar a ninguém, embora às vezes as pessoas não gostem por motivo nenhum.





Melhores momentos

- Latada

Neste dia, senti um misto de emoções. Foi um dia especial, mas cansativo, em simultâneo. Foi um dia de novas experiências, para ter uma noção daquilo que é a Latada. Foi também o dia do batismo. Foi quando ouvi a balada da saudade pela terceira vez (uma canção que eu adoro cantar). E mais importante de tudo, foi também o dia em que pude ver que existem pessoas que estão dispostas a ajudar e dar apoio quando nós precisamos.





- Queima das Fitas

Só fui lá dois dias, por isso, não precisei de comprar bilhete geral. Gostei muito de lá estar e é uma boa experiência. Fui no dia do “Jaime Artur” (James Arthur) e no dia do Piruka e do Mundo Segundo e Sam the Kid.

No dia do James Arthur, aconteceu algo que me desiludiu. Estava lá a ouvir as músicas todas dele à espera da minha preferida, que era a última (“Say You Wont Let Go”). Depois lembrei-me que tinha que ir à casa de banho. Quando regressei, o concerto já tinha acabado e as minhas colegas disseram que a música já tinha acabado. Fiquei tão desconsolada. 




- Serenata: Quando trajei pela primeira vez

Quando trajamos pela primeira vez é sempre algo emocionante. Ainda para mais quando tens pessoas que gostam de ti e que estão ali a dar-te um discurso em que só te dá vontade de chorar. Apesar de algumas desavenças que aconteceram comigo naquela noite, acho que foi um dia especial. Espero que para o ano consiga fazer um discurso em condições à(s) minha(s) afilhada(s), porque eu sou péssima com discursos (vocês não tem noção). Fiz um nessa noite que até me deu dó.






- Cortejo da queima

Neste dia posso dizer que me consolei de enfrascar as pessoas e de ser enfrascada, de cerveja (não me julguem, estava mesmo a achar aquilo divertido). Gostei mesmo muito daquela tarde, ainda para mais porque os meus pais estavam lá. O problema é que aquilo começou tarde, como o costume. Enquanto os meus pais estavam a espera que começasse, aquilo nunca mais andava. Quando tiveram que ir embora, foi quando aquilo começou (que sorte a nossa!). No entanto, tive que sair a meio do cortejo para me ir embora, não porque não estava a gostar, mas porque já estava mesmo cansada fisicamente, principalmente dos pés (aqueles lindos sapatos do traje que eu tanto adoro), mas também psicologicamente.






 - A K&Batuna

Seria impossível e estranho se eu não falasse da tuna aqui. Fez parte do 1º ano da minha vida académica. Andei o primeiro semestre e mais um pouco do segundo, só que depois deixei de andar, por motivos pessoais. Foi uma experiência boa. Existem lá pessoas excelentes e divertidas e, para além disso, são pessoas que, mesmo que tenham uma personalidade diferente da nossa, elas aceitam-nos tal e qual como somos e são pessoas que se preocupam com o nosso bem-estar. Quem pensar em entrar para a ESEC, para o ano letivo que vem, pode sempre ir experimentar.



- Os estágios       

Algo que a minha "faculdade" tem de muito bom é que nos dá a possibilidade de termos logo contacto com a nossa futura profissão, no primeiro ano. Eu considerei estas experiências muito importantes, pois deram uma visão mais alargada daquilo que é ser educadora ou professora, mas também sobre o ambiente escolar. Estas experiências também fizeram-me perceber que é mesmo educadora que quero ser. Identifiquei-me mais com o ambiente pré escolar.
                                                          



Piores momentos

- As primeiras semanas em Coimbra e as vezes em que me senti em “choque”
Eu já falei nisto uma vez e acho que devo dizer que não tenho problemas em admitir isso. As primeiras semanas são sempre as que custam mais e a mim custaram imenso. Lembro-me no primeiro dia que lá fiquei sozinha. Foi no segundo dia da receção ao caloiro. Durante a tarde, até me comportei bem. Não foi mau de todo. Depois, quando cheguei a residência, naquela noite, em que estava sozinha, posso dizer que foi difícil. O meu processo de adaptação foi demorado, mas com o tempo lá fui-me habituando mais e depois foi-se tornando menos difícil, no geral. É algo que acontece com todos os estudantes deslocados mas, claro que existem pessoas que se adaptam mais facilmente a novos ambientes do que outras. Há pessoas que gostam da ideia de estar longe, de se aventurar e há outras que não gostam assim tanto. Mas, não há nenhum mal em uma pessoa não gostar disso. Não há aqui o que está certo e errado. Cada um é como é e adapta-se à sua maneira.





- As vezes que duvidei se era este o curso certo
É algo que penso que acontece com toda a gente, até aqueles que querem mesmo seguir aquela profissão que o curso permite. Tal como disse em cima, por vezes não é por não estarmos a gostar do curso em si, ou seja, das cadeiras, que significa que tenhamos que mudar mesmo, isto é, se ainda continuarmos a querer seguir aquela área no futuro. Caso não nos sintamos mesmo felizes naquilo e percebermos que não era mesmo aquela área que queríamos, aí sim, já podemos ponderar em mudar.  
 

8 comentários:

  1. O primeiro ano, ao inicio custa porque tudo é uma "novidade" mas é o melhor de todos

    ResponderEliminar
  2. Que saudades do meu ano de caloira! Acredita mesmo quando te dizem que é o melhor ano das nossas vidas :). Mas parece-me que tu aproveitaste-o ao máximo e, ainda melhor, aprendeste lições muito valiosas. Se já aprendeste essas lições no primeiro estás, sem dúvida, no bom caminho :).
    Beijinhos,
    Cherry
    Blog: Life of Cherry

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Aproveitei mais ou menos :)
      Ainda vou aprender muitas mais....
      Beijinhos*

      Eliminar
  3. aiii, só de pensar que vou ser caloira outra vez (vou mudar de curso :p). que medo! ahahahah aposto que a partir de agora, com os novos caloiros, vais-te divertir muito e continuar a aprender! :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Vais para que curso?
      Também acho que vai ser assim como dizes ahah :)
      Beijinhos

      Eliminar