terça-feira, 7 de fevereiro de 2017

O que uma estudante de Educação Básica ouve!!





“És de Educação Básica? Pensei que fosses de Artes!” – Não sei ao certo o porquê, mas já não é a primeira vez que me dizem isto. Talvez seja pela minha maneira de vestir (que acho que é normal), ou pelo facto de eu ter jeito para Artes ou simplesmente por causa da minha personalidade.

“Prepara-te que ainda vais ter que ter muita paciência” – Esta frase foi dita especialmente pela minha mãe. Isto porque eu tenho um afilhado de 3 anos que é mesmo terrorista (acredito que seja da idade). E, portanto, ele faz-me suspirar muitas vezes de impaciência. A minha mãe vê-me muitas vezes a suspirar e depois diz: “Estás a suspirar? Ainda vais ter muito que aturar!”  

“Não tem empregabilidade (quase) nenhuma!” – Sim, é verdade que Educação Básica não é dos cursos mais abrangentes e dos que tenha mais saídas. Mas, mais uma vez, não quero ver isso como um obstáculo. Já ouvi muitas vezes que mais vale estar num curso que, apesar de não ser “o que está a dar hoje em dia”, faz-me feliz, do que estar num que, apesar de ter imensas saídas, não me gratifica. Acreditem que eu sei o que isso é. Estive num curso no secundário que tinha bastante saída e que é “o que está a dar hoje em dia” (Restauração) e não gostava nada de lá estar. Como se costuma dizer, dinheiro não é tudo nem sequer traz felicidade. 

 “Vais aturar crianças?” – Sim, sei que é uma faixa etária complicada. No entanto, antes de entrar para Educação Básica já sabia para o que ia. Já me tinham alertado várias vezes que é difícil aturar crianças e ainda ter que lidar com os pais, principalmente com aqueles que são mais protetores. Mas acho que não devo de desistir por causa disso. Todos os cursos têm o seu grau de dificuldade e todos eles exigem comunicação, ainda que uns exijam mais do que outros. Eu tento pensar da seguinte forma: “Se tivesse que olhar para todas as desvantagens que os cursos têm, não me metia em nenhum”.

"Pode ser difícil, mas no final, torna-se gratificante!" - Foi algo que eu ouvi de uma colega minha. E ela tem razão. As crianças lembram-se sempre daquelas pessoas que as acompanharam na infância e que as ensinaram. Eu ainda me lembro das minhas educadoras e também de algumas professoras da primária. Aquelas pessoas que contribuíram, de uma maneira ou de outra, para o meu crescimento e evolução. É disto que falo, apesar de às vezes apetecer dar com um chinelo ou amarrar uma criança a uma cadeira por estar a comportar-se mal, eu quero chegar ao final de uns anos, encontrar um aluno meu e dizer: "Eu lembro-me de si e daquilo que você me ensinou!"

5 comentários:

  1. Independentemente do curso existe sempre alguém que critica, mais vale fazeres o que gostas =)

    ResponderEliminar
  2. Essa do não ter saída é só estúpida. Basta olhar para as turmas sobrelotadas só para não terem de contratar professores. Já para não falar da falta de professores que todos os anos se assiste nas escolas. Portanto, faltam professores sim, e não são poucos! (e não são muitos, não é? Bastantes! ����)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Verdade! nao contratam porque não querem lhe dar salário!

      Eliminar
  3. Quando a maioria das pessoas soube que eu queria ser Educadora tentaram demover-me. Uma tia minha tem uma creche e mostrou-me a pilha de currículos em cima da mesa. Mas, por outro lado, os meus pais sempre me incentivaram. Sempre me disseram que se era isto que eu queria que me deveria esforçar. Ouvi tudo isso que tu ouviste também. Mas acabei por calá-los a todos. Fiz voluntariado numa creche durante quase dois anos (aconselho-te a fazê-lo porque aprendes imenso!!), tirei um curso de campos de férias e fiz um campo de férias interno como monitora (também aprendi imenso!), esforcei-me ao máximo nos meus estágios. E não há nada mais gratificante do que um pai vir ter contigo e dizer que o filho evoluiu. Não há nada mais gratificante do que ouvir algo como "para os que fazem aquilo que amam há sempre um lugar". Antes de conseguir trabalho como Educadora trabalhei em ATL durante três anos, com crianças dos 3 aos 10 anos. Se foi o meu trabalho de sonho? Não. Mas ensinou-me imensas coisas que uso agora. O truque é não ficarmos paradas à espera que as coisas venham ter connosco. Tira cursos, formações, faz voluntariado. Investe na tua educação fora da faculdade. Acredita que irás aprender muito mais do que aquilo que as cadeiras formatadas têm para te ensinar ;)

    Se precisares de alguma coisa dispõe!

    ResponderEliminar